• Rogger da Costa

VAMOS DAR A KARIUS UM NOVO COMEÇO

Todo goleiro conhece o nome Loris Karius. Ou melhor, Todo mundo no futebol conhece o nome Loris Karius.


Desde sua última aparição competitiva pelo Liverpool, o nome tem um peso, por todas as razões erradas. Karius tornou-se uma metáfora sombria para as armadilhas de erros de alto nível como goleiro profissional. Ele viveu o pesadelo de um promissor número um de uma das maiores escolas de goleiros do mundo, a dinastia de goleiros da Alemanha.


O alemão foi a grande aposta de um Liverpool que ansiava conquistar novamente a Champions League, substituindo um, à época, irregular Simon Mignolet. A primeira final da Liga dos Campeões dos Reds desde 2007 terminou com o nome do Liverpool nas manchetes dos jornais na manhã seguinte, mas a imagem correspondente foi a antítese da positividade.


O mundo do futebol não precisa de uma releitura da história de Loris Karius, ou dos eventos que agravaram uma noite decepcionante na capital ucraniana Kiev. Nem o próprio Karius; aquela noite deve ter se repetido em sua mente mais vezes do que seria provavelmente saudável.


Mas, o tempo é um curador. E algum tempo se passou desde que Karius entrou em campo pela última vez em um jogo da Premier League. Agora com 29 anos, o alemão provavelmente retornará à primeira divisão, com o Newcastle United de Eddie Howe pedindo um novo goleiro número dois.


Como a vida de um goleiro vai, você tem que aproveitar suas chances quando as conseguir. Carpe Diem é um slogan apropriado para quem espera por sua chance entre as traves, e aproveitar o dia é exatamente o que Karius terá que fazer se Nick Pope se machucar ou ficar fora de alguma forma nesta temporada. No entanto, a natureza da antecipação que pairará em St James' Park se e quando Karius voltar a ultrapassar a linha branca para entrar em um jogo da Premier League está em debate.


Mas de que adianta se apegar ao passado no caso de Karius?


"O que posso dizer? Loris sabe disso, todo mundo sabe disso. É uma pena em um jogo como este e depois de uma temporada como esta. Eu realmente sinto por ele; ele é um rapaz fantástico”, refletiu Jurgen Klopp após a final em Kiev.


“Ninguém quer isso, (mas) essa é a situação. Os erros foram óbvios, não precisamos falar disso, está tudo claro; ele sabe, eu sei, todos vocês sabem".


Ele sabe disso, eu sei disso, todos vocês sabem disso. As palavras de Klopp soam verdadeiras até hoje. O sentimento de suas reflexões era natural, no estilo tipicamente Klopp, mas talvez essa seja a abordagem narrativa que precisamos adotar quando Karius retornar à Inglaterra.


Afinal, há análises práticas que podemos fazer ao comentar a história do jogador de 29 anos antes de sua mudança para o Newcastle. Por um lado, Karius retornou um PSxG positivo +/- de +1,7 nos 19 jogos que jogou na temporada 2017/18, com algumas ótimas performances ao longo do caminho. Ele superou Hugo Lloris e Ederson nesta categoria estatística, chegando a ter os mesmos números que Petr Cech.


Na sua primeira temporada no Besiktas da Turquia - clube onde Karius se juntou por empréstimo após a fatídica final de Kiev -, ele de fato teve uma série de atuações fortes. Os problemas financeiros do Besiktas em seu segundo ano na Turquia azedaram a mudança, com Karius finalmente rescindindo seu contrato e retornando a Merseyside.


Alguns apontaram para uma aparente falta de motivação ou entusiasmo no segundo ano de Karius com o Besiktas, que foi criticado por fãs e especialistas, independentemente da turbulência contratual em curso; O Besiktas não pagou quatro meses de salário a Karius. Seja qual for a sua opinião sobre a saúde das contas bancárias do jogador de futebol, era um problema que teria compreensivelmente desviado o foco de Karius do que estava acontecendo em campo.


A batalha que se seguiu entre clube e goleiro foi azeda, com o Liverpool apoiando seu jogador e o Besiktas manchando seu nome. Foi um final totalmente negativo para o que, no início - muito parecido com a chegada ao Liverpool - parecia uma jogada promissora para Karius.


A má sorte pode parecer uma desculpa fraca para um goleiro de baixo desempenho, mas Karius realmente estava do ideal. Em setembro de 2020, Karius retornou à sua terra natal para se juntar ao Union Berlin por empréstimo. De acordo com o The Athletic, “Ele teve um pouco de azar durante seu tempo aqui”, disse o jornalista de futebol alemão e autor Christoph Biermann.


“O Union trouxe dois goleiros no verão passado [e] todos esperavam que Karius se tornasse o número 1. Mas ele foi o último a chegar e isso significava que [Andreas] Luthe teve sua chance. Luthe foi bem e Karius não conseguiu entrar no time.


Biermann fez alusão a uma série sólida de Karius no Union Berlin. “Ele não cometeu grandes erros e não parecia nervoso. Ele parecia um confiável número 2. Eu sei que o treinador de goleiros estava feliz com Karius”. No geral, Karius cometeu erros - grandes erros - em jogos que jogou, mas ao longo de sua carreira ele foi relativamente sólido no geral.


É verdade que Karius viveu um estilo de vida de celebridade. Namoradas famosas (e amigos em geral), não tímidos com as câmeras, e com a mídia acompanhando todas as notícias que o cercam desde sua performance de pesadelo na Liga dos Campeões, ele realmente desempenhou seu papel em permanecer no centro das atenções. Os torcedores do Besiktas teriam visto sua transferência com entusiasmo, dado seu status relativo após sua passagem pelo Liverpool na temporada 2017/18.


Ao retornar ao Liverpool de seu empréstimo ao Union Berlin na temporada 2020/21, Karius se viu parte de um departamento de goleiros reformado e rejuvenescido. Alisson, seu substituto como número um, estava no auge de seu jogo, com o veterano número dois Adrián e os jovens promissores Caoimhin Kelleher e Marcelo Pitaluga um conjunto totalmente novo de rostos. Era um departamento renovado em comparação com o grupo vacilante que havia visto uma disputa contenciosa e decepcionante pela camisa número um entre Karius, Simon Mignolet e, menos ainda, Danny Ward.


A competição dentro de um departamento de goleiros é sempre necessária, mas a união do Liverpool, durante a temporada 2017/18, estava abaixo desempenho. Apesar da experiência de John Achterberg, sem dúvida, preparar bem o grupo a cada semana, Mignolet e Karius, praticamente, lutaram para criar e manter uma hierarquia. Pode-se argumentar que, com Alisson como o número um concreto - e atuando geralmente em um nível de elite - cada goleiro é levado a competir em um padrão bem acima de suas próprias posições.


A dinâmica entre Mignolet e Karius representou uma espécie de impasse de goleiros. Nenhum realmente reivindicou a camisa número um, mas não em um sentido positivo. O profissionalismo de Mignolet não pode ser questionado durante seu tempo no Liverpool, mas nota-se que ele indicou um sentimento de insatisfação por estar fora da equipe, apesar de Karius não conseguir sempre manter o máximo nível.


Talvez agora haja mais um senso de aspiração no grupo de goleiros de Anfield. Um mantra que 'se Alisson é tão bom, vamos fazê-lo provar'. Da mesma forma, a estrutura em Liverpool hoje é muito de mestres e estudantes. Adrián atua como a personalidade veterana, amada e trabalhadora. Kelleher pode muito bem se tornar o número um do Liverpool no dia em que Alisson sair. Pitaluga é promissor, e o próprio Alisson é o melhor do mundo. Este é o ambiente, estimulado por Achterberg e agora também por Claudio Taffarel, em que Karius trabalhou nos últimos meses de sua carreira no Liverpool. Ele tem estado em boas mãos, e um bom ambiente de sucesso e desempenho máximo.


O próprio Klopp reafirmou a reação positiva de Karius a esse ambiente, dizendo ao site do Liverpool que “[Karius] não está fazendo absolutamente nada de errado, que está em ótima forma, que está treinando muito duro. Ele está comprometido, os treinadores de goleiros estão totalmente comprometidos, isso é claro”.


Não foi surpresa para o jogador ou público que Karius foi liberado no final de seu contrato. No entanto, parecendo provável que ele volte à Premier League - embora quase definitivamente no banco - nós, como fãs e especialistas, precisamos pensar no passado futebolístico de Karius exatamente como isso: o passado.


Há evidências suficientes para apontar a capacidade de Karius. Ele talvez tenha se juntado ao Liverpool muito jovem, traçando paralelos com as dificuldades de Kepa Arrizabalaga no Chelsea. O próprio alemão comentou no passado como deixou Kiev para trás. Até que ponto isso é verdade é discutível, mas o tempo é um bom curador. Loris Karius será uma pessoa e goleiro diferente daquele que a Premier League viu em 2018.


Afinal, quem não ama um goleiro provando que a mídia está errada? Vamos desafiar a narrativa: é hora de darmos a Loris Karius um novo começo no futebol inglês.


58 visualizações0 comentário