• Rogger da Costa

"PREVENIR" O CHUTE É MAIS IMPORTANTE DO QUE ESPERAR E DEFENDÊ-LO?

O astrônomo e analista de goleiros Dr. John Harrison apresenta um caso sobre a importância de medir a "prevenção de chutes", e se isso é mais importante do que fazer a defesa propriamente dita...


Costuma-se dizer que o principal objetivo de um goleiro sempre foi, e sempre será, impedir que os chutes entrem no gol. Mesmo no jogo moderno, onde há uma ênfase maior na distribuição (passes longos ou curtos, com mãos ou pés. Esse termo será usado no restante do post para designar esse tipo de ação.) do goleiro e nas habilidades de "líbero", a defesa ainda é (e sempre será) aceita como a habilidade mais importante que um goleiro precisa dominar.


Mas, embora defender os chutes seja a base da descrição do trabalho de qualquer goleiro, certamente há mais para impedir que os gols ocorram do que apenas isso. É aqui que a “prevenção de chutes” – uma estatística muito incompreendida nos dados de goleiros – entra em jogo.


Cada ação em campo que um goleiro realiza pode ser classificada em uma das três categorias: parar o chute, impedir o chute ou distribuir. Os dois primeiros são defensivos e ativamente ‘param gols’. Para analistas de goleiros e olheiros, conhecer a importância relativa de parar e evitar chutes permitirá que goleiros com pontos fortes e conjuntos de habilidades muito diferentes sejam comparados e avaliados de maneira mais justa.


Para goleiros e treinadores de goleiros, entender a importância relativa de cada um desses três aspectos para o desempenho em campo é vital. Podemos até usar a importância relativa de cada conjunto de estatísticas para saber como planejar as sessões de treinamento.


Mas o que realmente é “prevenção de chutes”? Até onde podemos ir com as estatísticas convencionais? E quais goleiros são bons exemplos dos efeitos positivos e negativos dessa habilidade estatisticamente incompreendida?


Que métricas podemos usar para avaliar a prevenção de chutes?


Enquanto uma ação de defesa é uma ação que realmente impede a bola de cruzar a linha de gol, uma ação de prevenção de chute é uma ação que impede que um chute aconteça em primeiro lugar.


Se quisermos analisar a importância da prevenção de chutes, devemos ir muito além das principais métricas disponíveis. O primeiro grande problema com os dados disponíveis sobre a prevenção de chutes é que muitas ações de prevenção não são contabilizadas pelos principais provedores de estatísticas.


A maioria dos provedores de estatísticas divide o que goleiros e treinadores de goleiros chamariam de ações de prevenção de chutes em recuperações, desarmes, interceptações, socos, cobranças altas (reivindicações cruzadas) e 'ações de líbero'. O problema com isso é que muitas ações de prevenção de chutes não se enquadram claramente em nenhuma dessas categorias e algumas se enquadram em várias categorias. Portanto, algumas ações de prevenção não são medidas, enquanto outras podem ser medidas várias vezes. Além disso, a diferença entre as categorias não é clara e não está relacionada à dificuldade ou importância.


Aqui está um exemplo desse problema em ação em uma partida da Premier League. Tanto a Opta quanto a StatsBomb relataram três categorias de ação de prevenção para David De Gea, do Manchester United, em sua partida contra o Norwich City em Carrow Road no início desta temporada:

  • Cortes

  • Socos

  • Saídas (seja no alto ou no chão)

Tanto Opta quanto Statsbomb sugeriram que De Gea não fez cortes, socos e saída contra o Norwich. No entanto, se você ver a partida, verá que essas quatro ações de prevenção de ocorreram:



Figura 1: De Gea 'encurta' uma bola em profundidade contra o Norwich, o que impede a ocorrência de um chute a gol em potencial, mas não é registrado pelos principais provedores de estatísticas.


Figura 2: De Gea corta um direto de escanteio contra o Norwich.


Figura 3: De Gea corta outro escanteio contra Norwich, mas por algum motivo desta vez não é registrado pelos principais provedores de estatísticas.


Figura 4: De Gea corta outro cruzamento contra Norwich, mas mais uma vez não é registrado pelos principais provedores de estatísticas.


Não está claro por que três dessas quatro ações foram perdidas, mas pelas imagens acima podemos ver que todas as quatro ações foram ações de prevenção de chute e, portanto, valeu a pena registrar. É importante notar que esta não é uma ocorrência única. Ao compilar meu banco de dados de ações de prevenção nos últimos anos, descobri que quase todos os jogos da Premier League tinham várias ações desse tipo ausentes. Esta, em termos simples, é a principal razão pela qual os dados disponíveis publicamente não podem ser usados para avaliar esse aspecto.


A segunda razão pela qual os dados disponíveis publicamente não podem ser usados para avaliar a importância da prevenção de tiros é que, mesmo que os dados públicos estivessem completos, eles ainda não nos informariam se a ação realmente impediu a ocorrência de um chute em potencial. As imagens abaixo descrevem um exemplo que destaca por que nem todas as ações devem ser avaliadas da mesma maneira:



A imagem da esquerda impede a bola de sair para um tiro de meta, enquanto a da direita impede que John Stones faça um cabeceio ao gol. É crucial saber se uma potencial oportunidade de gol é evitada quando um corte ocorre se o objetivo for, para avaliar a utilidade das habilidades de prevenção de chutes quando se trata de ajudar um time a sofrer menos gols.


A terceira razão pela qual os dados disponíveis publicamente não podem ser usados para avaliar a importância da prevenção de chutes é que, mesmo se ignorarmos as outras duas questões anteriormente descritas, esses dados básicos também não nos dão nenhuma indicação de quantas vezes cada cruzamento individual ou bola passou por ali num histórico da Premier League. Da mesma forma, não explica por si só com que frequência um gol ocorreria após um determinado cruzamento individual ou bola na Premier League se o goleiro não interviesse. As imagens abaixo descrevem um exemplo destacando por que nem todas as ações de prevenção de chutes são de igual dificuldade ou valor para a equipe defensora.


Figura 6: Duas bolas em profundidade cortadas por Alisson que destacam como certas bolas são mais difíceis e evitam chances de maior qualidade do que outras. A imagem à esquerda interrompe um chute potencial sob forte pressão de apenas dentro da área, enquanto a direita impede uma chance clara de 1v1 ocorrer.


Para avaliar quão úteis são as habilidades de prevenção de chutes quando se trata de ajudar uma equipe a sofrer menos gols, devemos encontrar uma maneira de:

  • Estimar quão difícil é fazer uma ação de prevenção de chutes, quantitativamente

  • Qual a probabilidade de um gol ocorrer se a ação não for realizada com sucesso

Isso nos permitirá estimar o número de "gols extras sofridos" que provavelmente ocorreriam se uma equipe passasse de uma excelente defesa para uma péssima.


O problema final com os dados disponíveis publicamente é que eles não conseguem medir quão bem o goleiro lida com o cruzamento ou a bola quando eles intervêm. As imagens abaixo descrevem um exemplo destacando por que nem todas as intervenções dos goleiros são de igual qualidade e, portanto, não diminuem a chance de um gol ser marcado com a mesma magnitude.



Figura 7: Duas defesas de Alisson que destacam a diferença na prevenção de chute entre duas intervenções. Uma recepção segura reduz a chance de um gol ser marcado de um determinado cruzamento, enquanto um soco fraco pode levar a um aumento na chance de um determinado cruzamento resultar em um gol.


Então, agora sabemos que uma métrica/modelo de prevenção útil deve levar em consideração:

  • Todas as ações potencialmente de prevenção;

  • Se uma ação realmente impede um chute em potencial;

  • A qualidade do chute potencial que a ação impede;

  • A dificuldade da ação;

  • A qualidade da intervenção em termos de como ela afeta a probabilidade de um gol ocorrer.

No caso de De Gea e Alisson, quão importante é a prevenção de chutes em comparação com defesa?


Escolhi destacar esses goleiros, pois eles são de times representativos da diferença entre os melhores e os piores zagueiros na Premier League nas últimas temporadas.


Alisson é um goleiro muito ativo quando se trata de cortar cruzamentos. Na temporada 21/22, ele 'evitou' (não 'parou') 0,29 gols esperados devido a cruzamentos por 90 minutos para o Liverpool. Quando isso é comparado com o número de gols esperados que um goleiro médio da Premier League deveria evitar devido aos cruzamentos que Alisson enfrentou, o modelo sugere que Alisson evitou um adicional de 0,08 gols esperados por 90 minutos.


Isso significa que o Liverpool concederia um gol adicional de chances de cruzamentos a cada 12 jogos se tivesse um goleiro "médio" da Premier League no gol, em vez de Alisson.

Figura 8: Tentativas de cruzamento contra Alisson na Premier League 2021/2022.


Figura 9: Tentativas de cruzamento contra De Gea na Premier League 2021/2022.


De Gea, por outro lado, é um goleiro muito menos ativo quando se trata de cortar cruzamentos De Gea jogou mais 180 minutos a mais da Premier League do que Alisson nesta amostra. No entanto, seu gráfico tem muito menos intervenções nele, e eles estão muito mais próximos de sua linha de gol. De acordo com meu modelo, De Gea evitou 0,17 gols esperados por 90 minutos para o Manchester United


Quando isso é comparado com o número de gols esperados que um goleiro médio da Premier League deveria evitar devido aos cruzamentos que De Gea enfrentou, o modelo sugere que De Gea realmente permitiu que o Manchester United concedesse mais 0,12 gols esperados por 90 minutos.


Quando se trata de cortes, a história é praticamente a mesma. Alisson é um 'líbero' muito ativo e, de acordo com meu modelo, ele evitou 0,22 gols esperados por 90 minutos para o Liverpool. Quando isso é comparado com o número de gols esperados que um goleiro médio da Premier League deveria evitar, dadas as bolas que Alisson enfrentou, o modelo sugere que Alisson evitou um adicional de 0,07 gols esperados por 90 minutos.


Curiosamente, no gráfico abaixo, podemos ver que Alisson não é perfeito nisto (claro). Na verdade, ele aumentou a probabilidade de um gol ser marcado em duas ocasiões. No entanto, sua frequência de ações de corte significa que o bem supera o mal e ele ajuda a facilitar sua linha defensiva alta.

Figura 10: Ações de corte de Alisson na Premier League 2021/2022.


Figura 11: Ações de corte de De Gea na Premier League 2021/2022.


Novamente, De Gea é um goleiro muito menos ativo. Tendo em conta que o espanhol jogou mais 180 minutos, os gráficos mostram novamente uma grande diferença na atividade. De Gea tem um histórico perfeito no sentido de que, quando ele interveio, ele sempre reduziu a probabilidade de a sequência se tornar um gol, no entanto, o número um do United intervém tão raramente que suas ações são muito menos úteis para o Manchester United do que as de Alisson para o Liverpool.


De acordo com meu modelo, De Gea evitou apenas 0,09 gols esperados por 90 minutos para o Manchester United por raspagem. Quando isso é comparado com o número de gols esperados que um goleiro médio da Premier League deveria evitar, dadas as bolas que De Gea enfrentou, o modelo sugere que De Gea realmente permitiu que o Manchester United concedesse mais 0,04 gols esperados por 90 minutos.


No geral, os dados mostram que Alisson é claramente um goleiro muito proativo, enquanto De Gea é muito mais reativo. Na temporada 21/22 da Premier League, Alisson evitou que o Liverpool sofresse mais 0,15 gols esperados por jogo (ExG), enquanto De Gea permitiu que o Manchester United concedesse mais 0,16 gols esperados por jogo.


Essa diferença (entre um defensor de chutes acima da média e abaixo da média) resulta em cerca de 0,3 ExG por jogo, que agora pode ser diretamente comparado à diferença entre ter um defensor de chute de primeira classe da Premier League e um defensor de chute ruim da Premier League. Portanto, a importância relativa da prevenção de chute pode ser avaliada.


A diferença na defesa de chutes dos atuais modelos de gols esperados acaba sendo de aproximadamente 0,6 ExG por jogo, o que significa que a prevenção de chutes é aproximadamente metade da importância de parar os chutes.


Então, os velhos ditados não estão errados: defender o chute ainda é a habilidade mais importante que um goleiro pode ter. No entanto, sua importância não é tão grande que a prevenção de chutes possa ser ignorada. Goleiros como David De Gea tem que ser realmente excepcionais na defesa se quiserem valer tanto para sua equipe quanto a atual safra de goleiros modernos.


Finalmente, dado que os gols esperados sugerem que a prevenção de chutes é metade da importância de parar os chutes (em 0,3ExG), as habilidades de prevenção de chutes garantem aproximadamente um terço do tempo no campo de treinamento deveriam ser dedicados a situações de prevenção de chutes nesse contexto.


Artigo originalmente publicado em: Goalkeeper.com


487 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo