• Voa Goleiro

O “Príncipe dos Goleiros” – A trágica história de John Thomson

A morte de um futebolista no seu auge é felizmente rara, e ainda mais rara no campo de jogo. Mesmo depois de quase 88 anos, a morte prematura de John Thomson, aos 22 anos, continua sendo uma das grandes tragédias do futebol.

Um jovem goleiro, já sendo titular em seu clube e país, com uma carreira longa e distinta, aparentemente, à sua frente, morto como resultado de um acidente durante um jogo.

Thomson era famoso por sua bravura e destemor, e se jogar aos pés do atacante Sam English, quando o jogador preparava o chute, foi evidência visível dessas virtudes. English não conseguiu parar o movimento de chute e a cabeça de John Thomson tomou o impacto total do joelho do jogador, deixando o goleiro inconsciente e sua cabeça sangrando.

E então, num sábado, dia 5 de setembro de 1931, o Goleiro morreu no hospital, nunca tendo recuperado a consciência após o incidente.

Com Thomson ainda sendo retirado de campo, uma parte da torcida, que não tinha conhecimento da gravidade da lesão, aplaudiu, até que eles foram silenciados por um dos jogadores do Rangers.

A morte de Thomson surpreendeu o futebol e foi particularmente sentida por todos ligados ao Celtic.

Cerca de 40.000 pessoas compareceram ao funeral em Cardenden, incluindo milhares de pessoas que viajaram de Glasgow, muitas viajando 88 quilômetros até a vila de Fife. O caixão de Thomson foi carregado por seus companheiros de equipe, completamente devastados.

James Hanley, em seu livro The Celtic Story (1960) escreveu: “É difícil para aqueles que não o conheciam apreciar o poder do feitiço que ele lançou sobre todos que o observavam regularmente em ação.

“Da mesma forma, uma geração que não viu John Thomson perdeu um toque de grandeza no esporte, pelo qual ele era um virtuoso brilhante, como Gigli e Menuhin. Um artista emprega a voz como seu instrumento, outro o violino ou violoncelo. Para Thomson, eram luvas.

Thomson foi criado no vilarejo mineiro de Fife, em Cardenden, e, como muitos de seus contemporâneos, começou sua vida profissional como um adolescente nos campos perto de casa.

Ele assinou contrato com o Celtic em 1926, aos 17 anos de idade, tendo sido visto por Wellesley Juniors e pelo olheiro celta Steve Callaghan, que também havia alertado o clube sobre os talentos de um certo Jimmy McGrory.

O Celtic pagou 10 libras para o jovem que se tornaria conhecido como o Príncipe dos Goleiros, e aos 18 anos ele já havia feito sua estréia no time principal contra o Dundee, no Dens Park, em uma vitória por 2×1 para o Celtic.

Durante o seu curto período como guarda-redes do Celtic, ganhou duas medalhas da Taça da Escócia – em 1927, quando o East Fife foi derrotado por 3-1 e em 1931, quando o Celtic venceu Motherwell por 4-2, tendo empatado o primeiro jogo por 2-2.

O reconhecimento internacional seguiu suas exibições impressionantes no Celtic, e Thomson foi convocado para seleção da Escócia e quatro vezes na seleção da Liga escocesa.

“Um personagem quieto e despretensioso fora do campo, mas, dentro dele, Thomson tinha um atletismo natural alinhado a um espírito corajoso e impressionou a todos que tiveram o privilégio de vê-lo jogar”, dizem os mais antigos torcedores do Celtic.

Em seu livro, A história do Celtic; 1888-1938, Willie Maley, técnico da equipe no momento da tragédia, escreveu: “Entre a galáxia de goleiros talentosos que o Celtic teve, o falecido John Thomson foi o maior. Um amigo da Fifeshire o recomendou ao clube. Nós o vimos jogar, ficamos tão impressionados que assinamos com ele quando ainda era adolescente, em 1926. No ano seguinte, ele se tornou nosso goleiro titular e logo foi considerado um dos melhores goleiros do país.

Mas, infelizmente, sua carreira foi curta. Em setembro de 1931, jogando contra o Rangers no Ibrox Park, ele se deparou com um acidente fatal. No entanto, ele jogou tempo suficiente para ganhar as mais altas honras que o futebol teve de dar. Rapaz, modesto e despretensioso, ele era popular onde quer que fosse na Escócia.

Seu mérito como goleiro brilhou soberbamente em seu jogo. Nunca houve um goleiro que defendeu e realizou as jogadas mais rápidas com tanta graça e facilidade. Em tudo o que ele fez houve o equilíbrio e a beleza do movimento maravilhoso de assistir. Entre os grandes Celtas que passaram, ele tem um lugar honrado.

Certamente a morte de John Thomson atingiu o clube – os árbitros, jogadores e torcedores – e teve um efeito compreensivelmente adverso nos desempenhos das duas temporadas seguintes.

Na verdade, mais uma tragédia atingiu o clube apenas dois anos depois, quando Peter Scarff, que havia jogado naquele fatídico jogo, morreu de tuberculose com apenas 24 anos de idade.


Para finalizar, sobre os trágicos acontecimentos de setembro de 1931 devemos lembrar o epitáfio da lápide de John Thomson, que diz: “Eles nunca morrem, vivem nos corações que deixam para trás”.

Abaixo, um curto vídeo do trágico jogo:

23 visualizações

Receba nossas atualizações

  • Branca Ícone Instagram
  • Ícone do Facebook Branco

© 2020 por Voa Goleiro. Tudo sobre Goleiros.