• Caio

Novos goleiros sofrem para repetir caminho de Dida ou Julio Cesar na Europa

Uma ótima reportagem do UOL Esporte

A expressão “Dalle stelle alle stalle” (em português: “das estrelas aos estábulos”), usada na Itália para falar de alguém que um dia já teve grande brilho e hoje vive no ostracismo, se encaixa perfeitamente para o momento que atravessam os goleiros brasileiros no país europeu.

Qual o motivo que pode explicar esta mudança de cenário: Simples coincidência? Teve uma queda de qualidade dos goleiros brasileiros ou o futebol italiano começou a dar mais chances para quem é do país?

Para o diretor da Gazzetta dello Sport, Luca Calamai, a mudança de cenário se explica por três principais pontos: qualidade dos novos arqueiros, modismo de se contratar brasileiros para posição nos anos 90 e 2000 e estratégias erradas dos jogadores.

“Tivemos a moda dos goleiros brasileiros impulsionada pelo Taffarel e pelo Júlio Cesar que são dois grandíssimos goleiros. E nomeio apenas os dois dos quais eu tenho mais carinho em minhas recordações. Allison não me convence como goleiro de qualidade e Neto paga as loucuras suas e de seu procurador escolhendo a pior estratégia para sua carreira. Buffon é único e insubstituível, não precisa ser um gênio para entender isso. Neto está somente perdendo tempo precioso na sua carreira”, afirmou o jornalista.

“Hoje temos a moda do goleiro italiano após termos descobertos Donnarumma no Milan. Agora os times procuram valorizar essas pedras preciosas em suas bases antes de olhar para fora”, concluiu Calamai.

Resultado de imagem para rafael cabral napoli

O azar de Rafael Cabral

O empresário de Rafael Cabral, Paulo Afonso, acredita que os fatores são diversos para apontar esse momento crítico dos goleiros brasileiros. No caso do ex-santista, ele crê que os problemas físicos o atrapalharam.

“Rafael teve um ano e meio no Napoli como titular no qual mostrou todo seu valor. Mas depois da lesão grave que teve, ao voltar, se deparou com um gigante como o Pepe Reina, goleiro consagrado e de grande experiência internacional. A mesma coisa acontece para Neto que é o vice de nada menos que um dos melhores goleiros do mundo, Buffon. O envelhecimento dos grandes goleiros está sendo bem mais demorado, e isso dificulta o despontar de goleiros mais jovens”, disse.


Resultado de imagem para Neto Juventus

Se Rafael Cabral sofreu com a perda da posição após lesão, no caso de Neto a opção de deixar a Fiorentina para ser reserva de Buffon na Juventus como já pôde ser visto acima é apontada como a principal causa do ostracismo. O brasileiro, que chegou a defender a seleção e era um dos principais nomes na boa fase da Fiorentina, tem passado pelo mesmo caminho que trilhou Rubinho, reserva de Buffon por anos e que perdeu o emprego na equipe de Turim no início desta temporada.

“Quando você busca um jogador tão novo em um lugar tão distante e fora dos holofotes você aposta somente em seu potencial e no faro do diretor esportivo que o contrata. Esse potencial, o Neto teve condições de mostrar por completo, mas hoje obviamente está fechado por nada menos que um dos maiores goleiros do mundo: Buffon”, afirmou o diretor esportivo da Fiorentina, Pantaleo Corvino.

O empresário de Neto acredita que apesar das críticas pela troca, a escolha de Neto foi correta. “É um dos melhores goleiros que atuam em Europa”, afirmou Stefano Castagna. “E em questão de talento, preparo e elegância não teme rivais. Claro, jogar em um grande time como a Juventus, com um grande goleiro como Buffon, faz com que ele jogue pouco. Mas quando teve em campo, mostrou todo seu valor e suas qualidades. Arrependido da escolha? A questão econômica é importante, mas eu acho que é melhor jogar pouco em um grande clube como a Juventus que jogar muito em um qualquer time menos expressivo”.


Preparador de goleiros da seleção brasileira e precursor entre os goleiros brasileiros que fizeram sucesso na Itália, Taffarel aponta “uma fase, uma mera coincidência de fatores” como justificativa para o momento ruim dos arqueiros nacionais em solo italiano. Ele, porém, vê grande qualidade nos quatro nomes citados nessa reportagem.

“Aqui (no Brasil) o momento é de bons goleiros no profissional e também na base, lá infelizmente o momento não é tão bom. Rafael foi uma unanimidade há dois anos no Napoli, mas teve problemas físicos e técnicos. Seu salário alto fez com que não houvesse o interesse de outro clube em contratá-lo mesmo que por empréstimo. Gabriel foi contratado pelo Milan, foi emprestado para o Carpi, fez um grande campeonato. Voltou para o Milan e foi emprestado novamente, pois o Milan apostou em um garoto italiano de 17 anos, Donnarumma. Sobre o Alisson, a Roma fez um grande investimento, comprou por 7 milhões de euros e venderá por 20 daqui a pouco: é um grande goleiro e é titular da seleção. Neto, fez grande trabalho na Fiorentina, foi para a Juventus sabendo que seria banco de um grande goleiro que é o Buffon. Joga pouco, mas ele sabia que iria acontecer isso. Nesse caso, o salário pesou na sua decisão. Perdeu espaço na seleção por conta disso, mas potencial tem, está sendo preparado para ser o sucessor do Buffon”.

Para Walter Zenga, ídolo da Inter de Milão e da seleção italiana, a análise é semelhante. “Na Itália existe uma verdadeira fábrica de goleiros, é só ver o Donnarumma, 17 anos e titular no Milan. Os goleiros brasileiros têm sim caraterísticas diferentes, mas não são inferiores, já que todos os três maiores times da atualidade (Juve, Roma e Napoli) tem brasileiros como goleiros reservas”.

8 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo