• Rogger da Costa

A VIDA DO MAIOR GOLEIRO DA HISTÓRIA ESPANHOLA

Poucas nações futebolísticas tem um relacionamento com seus goleiros assim como a Espanha tem. Muitos dos personagens mais emblemáticos e conhecidos da seleção jogaram entre os postes da La Roja e o país manteve uma linha de produção de goleiros de classe mundial até hoje. Jimmy Burns, do These Football Times, observa que o goleiro espanhol inevitavelmente foi pego na figura de Don Quixote - um salvador quando está jogando bem e alguém para culpar quando as coisas dão errado.


Naturalmente, há um homem para culpar e, de maneira quixotesca, ele pode ser responsabilizado por inspirar uma geração de goleiros espanhóis e criar a ambição elevada que muitos não conseguem cumprir. Esse homem é o próprio El Divino, Ricard Zamora.


Além de ser um goleiro fantástico, Zamora foi uma grande presença no jogo espanhol ao longo de sua carreira de jogador. Com o futebol espanhol começando a se profissionalizar, Zamora foi o primeiro verdadeiro herói, estrelando filmes e anúncios e exigindo preços sem precedentes por seus serviços. Sua história é emocionante, dentro e fora do campo.


A história de Zamora começa em Barcelona, onde o jovem cresceu e aprendeu seu ofício como goleiro nas ruas da cidade catalã. Seus pais não ficaram impressionados com o hobby do filho, pois ele sempre voltava com roupas e cortes rasgados para proteger seu gol. Seu pai esperava que seu filho crescesse fora do futebol e o seguisse para a medicina. Em 1913, Zamora foi enviado para a universidade, onde acabou ingressando na equipe local e, aos 14 anos, encontrou o fundador do Barcelona, Joan Gamper, que incentivou o jovem goleiro a continuar no futebol.


Apesar das palavras de incentivo de Gamper, o Barcelona não foi o primeiro clube de Zamora. Em vez disso, foi com seus rivais, Españyol, que El Divino iniciou sua carreira, fazendo sua estreia aos 16 anos de idade. No verdadeiro estilo amador, o goleiro titular, Pere Gibert, estava ocupado e não conseguiu ir para o jogo, então o clube pediu a Zamora para substituí-lo. O jovem teve que usar calças no trem para Madri para esconder as pernas machucadas e, quando o time chegou ao albergue, Zamora perguntou a seu companheiro de equipe, Armet, se ele dividiria seu quarto com ele, porque tinha medo de dormir sozinho.


No entanto, Zamora impressionou contra o Los Blancos - liderados por Santiago Bernabéu - e "roubou" a titularidade de Gibert. Ele ficou no Español até 1919, vencendo o Campionat da Catalunya em 1918. Depois de brigar com um dos diretores do clube, ele partiu para o Barcelona. No ano seguinte, ele foi selecionado para jogar pela Espanha nas Olimpíadas, o primeiro torneio da equipe nacional. Ele fez sua estréia na de La Roja, uma vitória por 1 x 0 sobre a Dinamarca na primeira rodada, e foi considerado a revelação do torneio pela imprensa francesa, quando a Espanha terminou o segundo lugar.


Embora impressionantes, as Olimpíadas de Zamora estavam longe de serem um caminho "simples". Ele foi expulso na final contra a Itália por dar um soco em um jogador adversário e também foi pego contrabandeando charutos pela fronteira belga, fato que prendeu e fez com que toda a equipe fosse revistada antes que eles pudessem retornar à Espanha.


Voltando ao futebol de clubes, Zamora começou a ganhar o apelido de El Divino, ajudando o Barcelona a dois títulos da Copa del Rey e três Campionats da Catalunha. Zamora ostentava um agudo senso de antecipação. Ele também era alto e forte, fazendo dele um goleiro imponente para o atacante. Com a bola, ele usou sua visão com grande efeito, lançando contra-ataques bem longe de sua linha de gol. Um jornalista sul-americano escreveu: "Com Zamora no gol, a rede encolheria e as traves se perderiam à distância".


Depois de três anos no Barça, o período de Zamora no clube chegou a um final tipicamente controverso. Em junho de 1922, surgiram rumores na imprensa espanhola de que ele havia pedido ao Barcelona um salário de 50.000 pesetas. Um movimento de vaivém até agosto, quando Zamora decidiu voltar para o Español. Em vingança, o Barcelona rejeitou a transferência e os tribunais concordaram, proibindo Zamora de jogar por um ano. Depois de voltar de sua proibição, Zamora permaneceu no Español até 1930, ajudando o clube a conquistar seu primeiro título da Copa del Rey e disputando sua primeira temporada na La Liga em 1929, terminando em sétimo.


Sua fama já ultrapassava fronteiras pela elasticidade, pela capacidade de defender pênaltis e por um lance hoje comum, mas que na época ganhou o apelido de “Zamorana”: nos cruzamentos para a área, saía sem medo para socar a bola para longe, usando a impulsão e a grande envergadura.


Em 1930, ele estava no gol quando a Espanha se tornou o primeiro time fora das Ilhas Britânicas a vencer a Inglaterra, no Estádio Metropolitano de Madrid. Zamora não foi particularmente impressionante e foi o responsável por dois dos três gols da Inglaterra na noite em que os espanhóis triunfaram por 4-3. No entanto, ele ganhou aplausos enormes quando veio à luz que ele jogou a partida com um esterno quebrado. O desempenho foi suficiente para o então Madrid FC desembolsar o valor astronômico de 150 mil pesetas astronômicas, 50.000 da taxa destinada a Zamora pessoalmente, tornando-o o jogador mais bem pago da Europa.


Depois de se recuperar de uma clavícula quebrada em sua primeira temporada no clube, Zamora se uniu aos zagueiros Ciriaco e Quincoces do Los Blancos para formar uma defesa firme. O Madri conquistou o primeiro título da liga naquela temporada, invicto e sofrendo apenas 15 gols em 18 partidas. Na temporada seguinte, eles mantiveram o título, sofrendo 17 gols dessa vez.


Em 1934, Zamora viajou com a seleção para a Itália, onde a Espanha competiu em sua primeira Copa do Mundo. Eles derrotaram o Brasil na rodada de abertura, por 3 a 0 na primeira meia hora antes que Leonidas fizesse parecer que ocorreria uma virada tardia para os brasileiro. Waldemar de Brito teve a chance de fazer o 3-2 do pênalti, mas ele se tornou a primeira pessoa a perder um pênalti em uma Copa do Mundo, pois Zamora negou ao Brasil a chance de encostar no placar.


Eles enfrentaram a Itália na próxima rodada e, apesar de terem aberto o placar, os italianos lutaram - literal e figurativamente, empatando, arrastando o jogo para um novo jogo (naquela época não havia prorrogação e nem pênaltis). O relatório da partida da ABC descreveu o jogo como "cada vez mais violento" e o combate feroz havia afetado Zamora. O talismã espanhol perdeu a "re-match" devido a lesão e a Espanha perdeu 1-0; uma amarga decepção para La Roja.


Zamora teve pouco descanso na frente do clube, já que o Madri terminou as próximas três temporadas na LaLiga como vice-campeão. No entanto, eles conseguiram compensar essas decepções em 1934 e 1936, quando venceram a Copa do Presidente da República, o novo nome da Copa do Rei. A final de 1936 foi o último jogo oficial de Zamora antes da Guerra Civil Espanhola e provou ser sua performance mais icônica.


O Madri enfrentou o Barcelona no Mestalla e parecia preparado para uma tarde fácil, com o placar de 2 a 0 no início. Josep Escolà empatou para o Barcelona, marcando um final emocionante. Nos momentos finais da partida, Escolà soltou um chute poderoso que parecia destinado a derrotar Zamora, apenas para o goleiro emergir da poeira com a bola nas mãos. A ABC descreveu a defesa como "inexplicável".


O apito final tocou logo depois e Zamora foi içado aos ombros de seus companheiros de equipe e recebeu aplausos dos fãs. A imagem dessa defesa tirada da trave mais distante continua sendo a imagem mais icônica de Zamora e talvez a imagem mais icônica de um goleiro de todos os tempos.

A Guerra Civil fez o futebol ser suspenso por três anos em Madri, mas a história de Zamora não termina aí. No início da guerra, ele encontrou um miliciano decidido a matá-lo por ser um extremista de direita, pois Zamora ocasionalmente contribuía para um jornal católico conservador chamado Ya. De repente, o agressor de Zamora largou a faca e o abraçou, identificando-se como um torcedor do Madri. Os dois discutiram todas as grandes defesas que Zamora havia feito para Madri nos anos anteriores e separaram os melhores amigos da companhia.


Alguns dias depois, Zamora foi preso e enviado para a prisão de Moledo, em Madri. Um relatório em Sevilha afirmou que ele havia sido executado pelos republicanos. No entanto, Zamora conseguiu sobreviver ao pelotão de fuzilamento devido ao status de celebridade e à partida que os carcereiros e prisioneiros jogariam no pátio da prisão.


Zamora se escondeu na embaixada de Madri, usando disfarces para se locomover enquanto esperava uma passagem segura para a França, para viver em exílio. Um dia ele foi reconhecido na rua, mas felizmente foi por outro fã de Madri e Zamora foi "contrabandeado" para fora da Espanha. Na França, ele se encontrou com o amigo de infância e companheiro de equipe do Barça, Josep Samitier, passando o resto de sua carreira no Nice.


Quando ficou claro que os nacionalistas iriam vencer a guerra, Zamora retornou à Espanha e participou de uma partida beneficente para soldados em dezembro de 1938. Começou a escrever ocasionalmente para o jornal nacionalista Marca, e recebeu a Grande Cruz da Ordem de Cisneros por deixar Barcelona e se identificar como espanhol durante os anos 50.


Zamora morreu em 1978, deixando todo o país de luto. Em 46 jogos pelo país, sofreu apenas 42 gol. Mas seu nome continua a ser lembrado todas as vezes em que a bola rola na Espanha. Isso porque desde 1958 seu nome batiza o troféu entregue pelo jornal Marca ao goleiro menos vazado de La Liga, desde que tenha cumprido um número mínimo de jogos.


Contas feitas nos últimos anos pelo diário mostram que o próprio Zamora teria vencido três vezes o prêmio: em 1929, pelo Espanyol, 1932 e 1933 pelo Madrid. Nenhum dos goleiros que estavam na Copa da Rússia defendendo as cores Espanha ganharam o prêmio – o mais próximo de um Zamora é o veterano Pepe Reina, cujo pai, Miguel, levou a taça duas vezes.


Poderíamos passar a semana falando de Zamora elogiando sem cessar e seu impacto no futebol espanhol, mas felizmente uma única citação, um ditado comum em toda a Espanha, captura apropriadamente o lendário goleiro: "Existem apenas dois goleiros: Ricard Zamora na Terra e São Pedro no céu".


Traduzido de These Football Times e com algumas inserções retiradas de RELVADO - A história do futebol com boas histórias.

0 visualização

Receba nossas atualizações

  • Branca Ícone Instagram
  • Ícone do Facebook Branco

© 2020 por Voa Goleiro. Tudo sobre Goleiros.